Take a fresh look at your lifestyle.

Consumo consciente: o que é e por que você deve se adequar a ele

Consumo consciente vai muito além dos 3Rs e também tem a ver com relações justas de trabalho e saúde humana, além de outros fatores.

0

Você tem ideia de quanto lixo descarta por dia? Pense nas embalagens de delivery, pacotes de petiscos, embalagens de produtos que você compra, papéis, tudo. Dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) mostram que a geração de lixo no Brasil aumentou 29% de 2003 a 2014, o equivalente a cinco vezes a taxa de crescimento populacional no período, que foi 6%. Uma alternativa para barrar ou diminuir esse impacto é a prática do consumo consciente, estilo de vida que vai muito além do clássico “reduzir, reutilizar e reciclar” e tem a ver com saúde humana e como você se relaciona com os produtos que compra e consome. Conheça mais sobre isso neste artigo.

Leia também: O que é minimalismo?

O que é o consumo consciente?

O Ministério do Meio Ambiente define o consumo consciente como “uma contribuição voluntária, cotidiana e solidária para garantir a sustentabilidade da vida no planeta”. Em detalhes, qualquer consumo se torna consciente quando o consumidor, literalmente, toma consciência de que aquilo terá um impacto (seja positivo ou negativo) na economia, nas relações sociais, no meio ambiente e nele mesmo.

Assim, dá para escolher deixar em evidência os impactos positivos e diminuir os negativos, quando a escolha do que comprar, de quem ou de onde comprar, e a definição das maneiras de usar o produto e de como descartá-lo se tornam mais claras, atentas e cautelosas.

É importante ressaltar que ninguém se tornará um consumidor consciente do nada e de um dia para o outro. Este é um processo que leva tempo e necessita da criação de hábitos, mas é muito gratificante.

Como ser um consumidor consciente?

A partir do momento em que se entende que qualquer consumo causa impactos sociais e ambientais, o consumidor consciente ideal é aquele que consome apenas o mínimo necessário para viver. Isso implica em utilizar qualquer produto até o fim da sua vida útil e recusar algumas convenções sociais, como utilizar sacolinhas no supermercado.

Para se adequar ao consumo consciente, deve haver um equilíbrio entre a satisfação pessoal e a sustentabilidade do planeta. Se você pensar que quem adota este estilo de vida sabe da sua capacidade transformadora por meio de seus atos de consumo e deseja aumentá-la sempre que possível, adequar esses dois quesitos pode não ser uma tarefa tão difícil.

Além de pensar nas questões ambientais, o consumidor consciente também leva em consideração a saúde animal e as relações de trabalho ao comprar qualquer produto, ou seja, ele não vai adquirir produtos de marcas que fazem testes em animais, por exemplo, ou que já tenham sido condenadas por prática de trabalho escravo ou análogo à escravidão. Ao mesmo tempo, vai considerar o preço do produto e como a marca que ele pretende comprar se relaciona com as questões ambientais (geralmente, ele vai optar por, quando comprar produtos, adquiri-los de empresas que tenham iniciativas ambientais consolidadas e realmente significantes). É importante lembrar que a prática do consumo consciente não deve ser vista como uma forma de promoção, se não, dificilmente ele vai funcionar.

Por fim, o consumidor consciente também se preocupa em disseminar seus conhecimentos sobre o assunto e a importância de se reduzir os impactos ambientais gerados por nós para outras pessoas, compartilhando um pouco das experiências dele e ensinando outras pessoas a tomarem atitudes mais sustentáveis. Ele tem em mente que um gesto realizado por muitas pessoas tem sim impacto significativo.

Calma. Às vezes, ao ler todas essas informações, você pode achar difícil adotar essas medidas e ficar perdido sobre por onde começar e o que realmente fazer para começar a se tornar um consumidor consciente. Para te ajudar, elencamos alguns pontos bastante simples para você adotar.

Ações práticas e simples do consumidor consciente

Reduza o consumo de produtos num geral:

Repare em quantas vezes por mês ou por semana você compra roupas, eletrônicos, eletrodomésticos ou qualquer outra categoria e tente tomar consciência se não é um exagero e se você realmente precisa daquilo.

Observe também se você costuma jogar muita comida fora, porque os alimentos estragam e não dá tempo de você comer tudo. Acostume-se a medir e comprar só o necessário nas despesas.

Reduza o consumo de embalagens, principalmente plásticas: 

O plástico, por ser feito de petróleo, não consegue se decompor e voltar em sua forma natural para o meio ambiente, porque, bom, não tem como ele ser petróleo novamente. Por isso, é muito importante reduzir o uso dele, seja deixando de recolher sacolinhas plásticas no supermercado, não usando canudos plásticos ou optando por produtos engarrafados em vidro, por exemplo.

Enquanto pesquisava informações para este artigo, encontrei um dado que pode te incentivar a realizar esse tópico com mais afinco: segundo um relatório realizado pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF, sigla em inglês) e divulgado em março deste ano, o Brasil produz 11.355.220 milhões de toneladas de lixo plástico por ano. Deste número, somente 145.043 toneladas são recicladas. Ainda, a pesquisa mostrou que cada brasileiro produz um quilo de plástico por semana.

Use o produto até o final e reutilize o que for possível:

Depois de reduzir o consumo de embalagens, está na hora de reaproveitar as outras. Potes de sorvete, por exemplo, podem ser utilizados para guardar comida na geladeira (como o clássico feijão, que a gente sempre acha que é sorvete) e copos de requeijão de vidro podem virar copos de bebidas, sem que você precise comprar jogos novos quando algum quebrar.

Faça a coleta seletiva:

Essa dica pode parecer básica, mas não é, até porque muita gente não sabe como realizá-la. Separar o lixo seco do comum é importante para que os produtos possam ser reciclados. Ao contrário, todos vão para o aterro e ocupam um espaço desnecessário, além de não conseguirem voltar a ser matéria-prima para outros produtos. É importante que antes de separar as embalagens (seja de xampu, creme hidratante, caixas de leite, latas de leite condensado e creme de leite etc), elas sejam lavadas, para não criar mau cheiro e propagar insetos e doenças. Além disso, se tudo estiver limpo, dá para deixar papéis e embalagens de papelão no mesmo lugar.  

Se mantenha informado sobre o assunto:

Só assim você vai conseguir ter ideias novas e perceber outras práticas para cada vez ser um consumidor consciente melhor. Entre em grupos e converse com outras pessoas sobre o assunto; também procure se atualizar sobre as medidas governamentais que estão sendo tomadas em prol ou contra este tópico.

Curiosidade: para despertar nas pessoas a consciência dos problemas econômicos, sociais, ambientais e políticos causados pelo consumo exagerado foi criado o Dia do Consumo Consciente, celebrado todo dia 15 de outubro no Brasil.


Você se considera um(a) adepto(a) ao consumo consciente? Comente aqui o que você faz no seu dia a dia para que isso aconteça e não deixe de acompanhar outros conteúdos do blog do Promobit!

Comentários

Novo comentário
cancelar
Responder comentário:

Quer receber alertas de novas postagens?

Receba notificações em seu navegador!