avatar de Eduardo_Marim
11

Smartphones e sua vida útil - Discussão

10 de Dezembro de 2018 ás 10:55
Bate-papo
4
18

Olá pessoal,

Gostaria de propor um debate acerca da vida útil de um smartphone em prol da evolução. O que pensam sobre isso?

O mercado de smartphones é muito peculiar, durante todo o ano temos lançamentos de novos dispositivos, inclusive, existem gerações de equipamentos que atualizam em menos de 6 meses. Esse rumo, faz com que um smartphone se torne "ultrapassado" pelo mercado muito rápido, mas e na prática, um dispositivo não pode mais ser comprado por que foi lançado em 2016? Será que um celular de 2 ou 3 anos já não vale mais a pena?

Essa atualização constante, por um lado, faz com que o mundo dos smartphones melhore a cada ano, sempre temos novas tecnologias, e as vezes temos algumas tecnologias transitórias, que estão lá para "tampar um buraco" durante o período que nada melhor apareça (vide, notch). Por outro lado, isso nos impulsiona a gastar rios de dinheiro para trocar o smartphone pelo modelo do ano, por mais que as diferenças sejam minimas.

Até que ponto toda essa renovação constante é vantajosa? Vocês acreditam que é positivo esse mundo tecnológico imediatista, que quer a todo momento algo novo?

Já é sabido, que empresas também se aproveitam desse mercado para diminuir a vida útil dos equipamentos, nos forçando a sempre trocar de modelo, essa imposição é claramente prejudicial, mas se você não ficasse com seu smartphone engasgando depois de 1 ou 2 anos de uso, faria a troca mesmo assim?

O que vocês acham sobre essa realidade dos smartphones?

A vida útil depende de quem está usando. Posso ficar anos com um aparelho tranquilamente. Ainda hoje recomendo amigos comprarem high-ends dos anos anteriores no lugar de intermediários "premium". Se souber usar, os aparelhos ainda têm muito gás. Normalmente as pessoas não usam tudo o que aparelho oferece, ficam sempre no mais básico...
Agora, esse ciclo semestral me irrita. Não pela obsolescência ou algo do tipo, mas pela desvalorização.

responder
Reportar
@Eduardo_Marim

mickael_fernandes Você não acha que a desvalorização é um beneficio? Que isso torna uma tecnologia acessível a mais pessoas, e por mais que prejudique quem pagou mais caro, esse era um fato eminente, e foi o preço a ser pago por querer um lançamento.

Outro ponto interessante é sobre a primeira parte do seu comentário, vale mais a pena comprar high-ends dos anos anteriores, a um intermediário premium atual? Ao meu ver, vale muito mais a pena.

responder
Reportar

Eduardo_Marim depende. Para os early adopters e para quem quer "investir" inicialmente em um bom aparelho não é.
O fato é que não há necessidade de um ciclo semestral. A desvalorização seria contida e ainda assim o produto se tornaria mais acessível, vide a linha S da Samsung.

Claro que vale, não tenho a menor dúvida disso.

responder
Reportar
@Eduardo_Marim

mickael_fernandes Concordo com o exemplo da linha S, mas ela não seria um exemplo puro de desvalorização de mercado? Ainda que não haja um lançamento semestral.

responder
Reportar

Eduardo_Marim tudo depende do ponto de vista. Para mim é pura e simplesmente um exemplo de capitalismo.

responder
Reportar
@Eduardo_Marim

mickael_fernandes Eu entendo, mas o que eu quis dizer é que a linha S da samsung, é por exemplo, um dos melhores custo benefício do mercado. Isso porque, após um ano de lançamento, já podemos ver um valor bem mais agradável, porém, aqueles que fizeram questão de comprar no lançamento e "investiram" esse dinheiro, saíram prejudicados.

Mesmo assim, eu vejo isso com uma perspectiva diferente, acredito que quem compra um smartphone no lançamento, quer exclusividade, é provavelmente um entusiasta e tem que estar ciente que haverá uma desvalorização. Fato esse, que será bom, por tornar a tecnologia mais acessível.

Mas você tem razão, é uma questão de ponto de vista, depende de qual lado da moeda você está.

responder
Reportar
@kknando

Correto mickael_fernandes
Quem torna o equipamento obsoleto prematuramente é o usuário.
Também concordo que a grande maioria não consegue aproveitar todos os recursos oferecidos pelos high-ends.
Mas estou disposto a embarcar nessa, nunca fui consumidor de top de linha, mas me interesso pelas novidades.
Essa enxurrada de lançamentos apenas demonstra que as tecnologias e novidades já estão disponíveis e as grandes marcas é que seguram pra obter lucro, lançando vários modelos que já chegam nas lojas "ultrapassados.

responder
Reportar

kknando vale a pena, a longevidade proporcionada por eles compensam os valores maiores, fora o fato de ter disponível as novidades, como o amigo comentou. Eu sou curioso e geek por natureza, então sempre estou antenado. Além disso, hoje com as importações eu parei de ter prejuízos com flagships.
Só um adendo: cuidado, porque depois de ter um top de linha, é bem difícil voltar para os outros, rs.

responder
Reportar
@Eduardo_Marim

kknando mickael_fernandes Talvez eu não tenha conhecimento técnico para dizer, mas sinto que a vida útil dos dispositivos é diminuída de propósito, eu tive um LG G2 (baita smartphone, diga-se de passagem) e depois de alguns anos de uso, a bateria dele já não aguentava mais 1h de uso intenso, e o sistema já engasgava muito, após algumas (raras) atualizações

Talvez eu esteja errado, mas penso que há sim um deterioramento forçado do equipamento, por mais cuidadoso que você seja.

E também penso que empresas segurem tecnologias para que possam sempre ter algo novo em seu novo modelo, mas é uma estratégia de mercado.

responder
Reportar

Eduardo_Marim por isso que disse que depende do usuário. Troque ou monte uma ROM e os problemas serão resolvidos. Já quanto a bateria, não há o que fazer, a vida útil vai diminuindo mesmo... dá para ter um cuidado com ela, mas não resolve o problema.

Sobre segurar tecnologias isso para mim é óbvio. Não dá para lançar tudo de uma vez, porque o mercado exige alguma atualização e não tem como ficar reinventando a roda.

responder
Reportar
@kknando

mickael_fernandes kkkk certamente

responder
Reportar
@Eduardo_Marim

mickael_fernandes Mas essa perda da vida útil da bateria, ao seu ver, não é condicionado a um baixo número de ciclos de carregamento possível? que logo, seria uma estratégia para uma troca forçada de equipamento.

responder
Reportar

Eduardo_Marim não. Tem a ver com a parte técnica. Não estou dizendo que eles não podem alterar para propiciar uma menor vida útil, só que a tecnologia tem, de fato, uma limitação.

responder
Reportar
@Eduardo_Marim

mickael_fernandes Sim, existem limitações, porém acredito que essa possibilidade da qual mencionou, é muito mais comum do que imaginamos, mas é apenas um palpite.

responder
Reportar
@fabrsim

Trocar de celular está quase como trocar de carro, você pega, fica um tempo, e se conseguir conservá-lo, pode vendê-lo e adquirir um modelo mais novo. É impressionante como os modelos de iPhone ao passar dos anos ainda têm um bom valor de revenda, por exemplo. Quanto ao tempo de uso para um smartphone ser considerado "ultrapassado" eu acho que vai de cada um. Meu último celular antes do atual foi um android intermediário de 2015, ficou na minha mão por quase 3 anos. Só troquei porque ele não aguentava mais a carga de processamento que eu necessito para trabalhar com mídias sociais no meu dia a dia, mas eu conseguia fazer quase tudo por ele tranquilamente.

responder
Reportar
@Eduardo_Marim

fabrsim Acredito que a situação dos veículos ainda esteja melhor, um smartphone desvaloriza 50%, 60% as vezes até 70% do seu valor em menos de 2 anos, isso com exceção da Apple, claro.

Ainda sim, vejo isso com dois olhares, para muitos é algo até que positivo.

responder
Reportar
@pedro_fernandes_431165

Edu.
Até hoje só tive 4 celulares. (2 celulares e 2 smartphonea)
O primeiro da Motorola não lembro o modelo, mas bem antigo, isso la em 2006, perdi, fui jogar bola e perdi.
O segundo, ainda também não smartphone, também não lembro o modelo, era da Samsung, mas bem baratinho mesmo, só pra ligar e mandar sms, esse usei até comprar meu primeiro smartphone, esse lembro bem, Nokia N8 N series, peguei esse no lançamento foi quase 3 paus, primeiro e único top de linha que comprei e também perdi, na verdade esqueci em um restaurante, mas fiquei uns 3 ou quase 4 anos com ele, eu só detestava o sistema dele, sambyon acho que se escreve assim.
E o meu que é o simples porém funcional J5 prime.
Assim só vou comprar outro quando os tops de linha da S caírem bastante ou importar...
Sinceramente, sou um entusiasta de tops de linha, mas só tive um e só fico mesmo no entusiasmo, eu sei que vou perder então não arrisco mais.
Esse J5 comprei depois de 6 meses de lançado e antes estava sem nenhum aparelho, sou bastante desconectado, mas sei da importância de estar ligado com algumas pessoas e só pra isso tenho, mas sobre sua discussão sobre tecnologia e tal estou totalmente por fora, tipo não utilizo nem a metade dos recursos do J5 e muito menos do Nokia N8.
Do N8 usava bastante o sistema de edição de fotos e vídeos, era perfeito, melhor ainda que meu notebook acredite da Asus,
E isso não está relacionado a ter ou não dinheiro pra comprar.

Abraços

responder
Reportar
@Eduardo_Marim

pedro_fernandes_431165 O N8 foi um clássico, marcou época.

Entendo seu posicionamento, suas características de usuário contribuem para o lado dos que preferem uma sequência menor de atualizações de modelos de dispositivos.

responder
Reportar
Novo comentário
cancelar
Responder comentário:

Adicionar Resposta

Avalie o Promobit

Qual a probabilidade de você recomendar o Promobit para um amigo ou parente?