Promobit
Promobit
Notícias

Internet lidera vendas no Dia das Mães

Brasileiros preferem comprar presente de Dia das Mães pela internet, revela pesquisa do Promobit.

Internet lidera vendas no Dia das Mães

11 de mai de 2018

0 comentários

Compartilhe:

Internet será o meio mais utilizado por eles para comprar o presente de Dia das Mães de acordo com 53% dos entrevistados em pesquisa promovida pelo Promobit. Do restante, apenas 12% mostram preferência pelas lojas físicas, enquanto 35% ainda não se decidiram sobre como irão atrás do presente.

O resultado da pesquisa do Promobit reforça resultados de outros institutos, como PwC, que mostram o aumento da confiança do brasileiro nas compras pela internet, que já supera as compras em lojas físicas.

Indecisos são maioria

Quando perguntados sobre o que pensam em comprar para suas mães, a maioria (33%) respondeu que ainda não se decidiu sobre qual será o presente. Entre os que já tomaram a decisão, roupas e acessórios são os preferidos de 30% dos filhos. Smartphones ficam com 18% das intenções de compra e utensílios domésticos aparecem logo depois com 17%.

Empatados com 12%, eletrônicos e almoço/jantar aparecem mais ao final da lista. Em último lugar estão itens de decoração. Já 20% decidiu comprar um item que ficou fora da nossa lista.

Presentear sem se endividar

A grande maioria, 84% dos entrevistados, irão comprar um presente de Dia das Mães esse ano. Desses, 40% vai optar por quitar os seus débitos à vista, o que pode ser motivado pelos descontos para essa forma de pagamento ou para evitar contrair dívidas nesse momento. Já 36% dos que responderam à pesquisa que preferem parcelar suas compras. O restante assinalou não ter preferência (16%) ou ainda não se decidiu (9%).

pagamentos carteira

Dados demográficos da nossa pesquisa

Para produção da pesquisa foram entrevistadas 850 pessoas de 16 a 70 anos, sendo que a maioria (40%) pertence ao grupo que tem de 25 a 34 anos. Tanto os participantes com idade entre 18 e 24 quanto 35 e 44 corresponderam a 22% do total. O restante representou um total de 16%.

Já em relação ao gênero, 61% declarou ser pertencente ao masculino, 38% ao feminino e o restante se reconhece como outro gênero ou não quis responder essa pergunta.